Propostas indecorosas

Rm 8.15,16: “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai. O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”.

Entidades satânicas seduzem seguidores propondo uma relação onde ambos saem ganhando. Com o tempo as suas garras aparecem e assumem a dianteira e o controle.

Quando chega a este ponto, inúmeros contratos foram assinados, contendo cláusulas punitivas em caso de deserção. As tentativas de se desvencilhar deste controle são desencorajadas com ameaças. Nesta lista estão incluídos itens como: Tragédias, perdas, estilhaços que atingirão àqueles que amamos, iminentes desastres financeiros, perda de emprego e tormentos espirituais. Causa espanto saber que estas práticas foram importadas por alguns currais que se dizem evangélicos.

Em contrapartida, Deus propõe um relacionamento paternal. “… recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai”.

O temor escravizante é substituído pelo incentivo ao amor, pela proteção desinteressada e pela disciplina que visa a cura. Instituições não amam, mas as pessoas sim. Jesus não veio criar instituições, mas relacionamentos. A unidade e o amor não são criados por estatutos ou regimentos internos. São derramados pelo Espírito Santo em nossos corações.

Os lobos pulam a cerca, assumem o controle, criam as suas próprias regras e ameaçam devorar as ovelhas que planejam escapar das suas garras. O curral virou açougue.

Manter as ovelhas neste matadouro é garantia de carne no seu prato. Enquanto isto, pastores amam e cuidam.

O Espírito testifica dizendo: você é filho, me chama de pai, a casa é sua, eu te amo e lhe darei o Céu por herança. Fique aqui, sentirei saudades. Lá fora você estará desprotegida, ameaçada e vulnerável. Vem e fica debaixo das minhas asas.

Ubirajara Crespo

Publicado a partir do BlackBerry para o WordPress.

Anúncios