Rumo ao gigantismo eclesiastico ou ao coracao das pessoas?

href=”https://almalavada1.files.wordpress.com/2013/03/apresentacao-do-davi.jpg”>

Publicado a partir do BlackBerry para o WordPress.

Uma pergunta que se debate para nascer dentro de nossos úteros é a seguinte: O gigantismo da Igreja é o ambiente correto para voltarmos a ser tratados como gente?

Hoje vemos bancos e hospitais oferecendo um tratamento personalizado, que na verdade tem se mostrado um tratamento preferencial para quem faz depósitos mais polpudos. A Igreja também parece caminhar nesta direção.

É difícil destacar alguém do meio de uma multidão, se ela não possuir características muito especiais que a destaquem dos demais. Dinheiro, fama, dons, capacitações, conhecimento e influencia são alguns destes destaques que, logo, logo, chamam a atenção da liderança. Já houve um tempo em que a espiritualidade era o fator predominante.

A verdade é que o acesso aos pastores e apóstolos esta ficando cada vez mais custoso. Talvez o erro seja nosso, pois os procuramos no lugar errado, isto é, na TV, em cima de palcos iluminados, nas capas de revistas e dentro de jatinhos.

Se quer marcar um encontro com um pastor de verdade, não o procure dentro ternos de marca, em escritórios luxuosos, nem cercado por seguranças, muito menos dentro de carros blindados, em Boca Raton ou outros condomínios luxuosos made in Brazil (com Z).

Eles estão em lugares isolados, curando alguma ferida, nas sarjetas, fazendo um parto, apartando uma briga, morando em palafitas, tentando desatolar o carro de alguém e carregando no colo uma ovelha doente.

São chamados de missionários, considerados como obreiros de segunda classe e não ocupam posição comando, mas é gente que sempre tem um tempinho para você.

O apóstolo de verdade, é atencioso e conhece suas ovelhas pelo nome (Veja as saudações e despedidas nas epístola de Paulo). Apenas não se estabelece definitivamente em uma localidade, mas deixam saudades sempre que partem. Quem fica é o pastor. Ele se afeiçoa a um local para continuar o que o apóstolo começou.

Hoje chamamos de apóstolo o líder de um grupo de igrejas que, na sua maioria, nem conhece. A palavra perdeu sua pratica e o significado original, sendo transformada em título honorífico.

As instituições religiosas, por sua vez, precisaram cria uma nomenclatura que deixasse clara o tipo de organização hierárquica adotado.

O que você quer? Um título ou um ministério fundamentado em seu dom espiritual?

Meu conselho é o seguinte: mesmo que em seu ambiente eclesiástico haja pessoas brigando por um título, não participe desta cena, mas procure modificar o script. Desempenhe o seu ministerio, com ou sem título.

Se a honestidade de propósitos não consegue se manter em um ambiente, é melhor sair dele, povo meu, pois Deus já saiu.

A principal função do pastor é pastorear e não disputar espaços nos púlpito, na mídia ou na cadeira que fica na quina da mesa da diretoria. Ele tem mais o que fazer.

Todo pastor pode ser um pregador, mas nem todo pregador consegue ser pastor. Pra que servem os títulos? Eles não transformam ninguém em nada, a não ser em um soberbo. O pastor é um prato assado por dentro. Já sentei a mesa de refeição de alguns locais, que teimam em se chamar de Igreja, onde o pregador é uma bela peça de carne assada só por fora, mas totalmente crú por dentro.

Ninguém pastoreia do alto do púlpito. Procure no cemitério, no atoleiro, no boteco, na zona, na boca de fumo, nos aniversários, na kracolandia, debaixo das pontes, no futebol, nas esquinas, nos enterros e nos hospitais. Estes são os mesmos lugares por onde Jesus andou.

A misericórdia e não o milagre é a sua maior identificação. Se você acha que é uma ovelha sem pastor, é porque procurou no lugar errado e ainda por cima, ajudou a construir o falso

Ubirajara Crespo

Anúncios