Os enganadores espiritos familiares

Chamo de espíritos familiares aqueles demônios que se aninharam em famílias onde encontraram um ambiente propício para a sua ação devastadora. Não admitem perder sua posição e influência. Através de mentores espirituais humanos, também chamados de médiuns, enviam mensagens que incentivam comportamentos que favorecem o seu domínio sobre a família. Ora … aconselham uma união, ora a desfazem, colocam iscas em anzóis, visando estimular mágoa, traição, procrastinação, dependência e pecados.

Conhecem hábitos e palavras que foram ditas no ambiente familiar e são capazes de cita-las durante uma falsa sessão onde invocam sinais de parentes mortos dos quais imitam a sua voz. Muitos destes mentores, apesar de enganados, se aplicam a sua pratica religiosa com sinceridade, mas outros se aproveitam das informações mais intimas dadas por estes espíritos, para manipular a família e obter presentes. Há também, aqueles que praticam estas coisas conscientes como servos voluntários do diabo.
Neste aspecto é bom enfatizar que demônios possuem uma moral dirigida pelas circunstâncias e não por princípios. Estão dispostos a prejudicar ou a beneficiar, escolhendo a pratica que os leve mais rapidamente a obter o que desejam.
“Operação do Erro”, foi o título escolhido por Deus para descrever o assunto aqui tratado. 2Ts 2:9-11: “Ora, o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais, e prodígios da mentira, e com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos. É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito à mentira”.
Demônios são ilusionistas capazes de projetar holografias diante de nossos olhos. Talvez manipulando extratos energéticos que circulam na atmosfera, ou um tipo de plasma energético moldável, como afirma a parapsicologia. Estas aparições são cuidadosamente esculpidas de forma a se parecerem com pessoas já falecidas, ou com ambientes existentes ou não, que fazem parte de nossas lembranças e expectativas. Chegam muito próximo da realidade e ganham corpo quando nestes locais ocorreram cenas muito fortes. Espíritos simulam personagens da nossa história pessoal.
Por ser profundo conhecedor do folclore e da religiosidade de um país, o diabo se utiliza dos mesmos recursos para estimular nossas crendices. Saci Pererê, mula sem cabeça, Cosme, Damião e figuras que correspondem a algumas das imagens mais idolatradas do país. Na sua moral de conveniência os demônios simulam qualquer coisa para manter as pessoas apegadas ao erro.
Da mesma forma ele atua dentro de religiões misteriosas, incluindo as irmandades satânicas. Ao lado dos seus caldeirões onde, literalmente, são assadas pessoas como sacrifício, ocorrem visões holográficas que tomam as formas mais bizarras que a rica imaginação de seres poderosos consegue produzir.
Levei anos pesquisando este assunto para concluir que alguns dos que passaram por estas seitas pensam ter visto coisas, que na realidade não existem. A maioria deles foi enganada e creem naquilo que pensam ter visto. Há uma fração deles, difícil de ser quantificada, acrescentando as suas narrativas, detalhes que nem o diabo pensou em produzir. O papel aceita qualquer coisa e se o narrador for bom, pode ficar rico. Obviamente nenhuma destas pessoas, depois de se declararem cristãs, reproduziria uma sessão espírita para ouvir o testemunho corroborador de demônios que estão interessados em alimentar a mentira que inventaram.
Os espíritos familiares conhecem nossos mais íntimos segredos e usam as informações colhidas durante nossa historia de vida, para nos manterem aprisionados ao erro. Resumindo: O demônio pode rugir como um leão, brilhar como um anjo de luz, tomar a forma de parentes falecidos, produzir visões de locais por onde passamos e de locais que não existem, como um inferno gostoso feito pelo diabo, seres alienígenas e naves espaciais. Com estes poderes o demônio pode simular uma viagem astral e fazer com que você pense estar controlando a mente de uma pessoa.
Alguns ministérios de Batalha Espiritual foram tão contaminados por doutrinas de demônios, que deram a isto o nome de possessão humana. Inúmeros textos bíblicos corroboram esta interpretação. Lembre-se, por exemplo, da Pitonisa consultada por Saul, que criou uma imagem tão idêntica ao profeta Samuel, que até ela mesma se espantou.
Resista a este engano, o mestre do ilusionismo quer lhe pegar.
Ubirajara Crespo

Publicado a partir do BlackBerry para o WordPress.

 

Anúncios