A arte usada a favor do Evangelho e nao do artista

Bíblia+do+guerreiro.jpgA arte é uma dos meios mais eficientes para apresentar a mensagem de Cristo. Entre elas estão manifestações musicais, teatrais, oratória, dançantes, cinematográficas e literárias.

Precisamos explorar estes meios ao máximo, com extrema eficiência e aprimoramento.

A Tecnologia e os efeitos especiais também devem ser explorados. São molduras capazes de realçar a mensagem e serão sempre bem vindas.

A mídia é outra área que precisamos dominar e utilizar para a exaltação do nome de Jesus Cristo.

Os meios de comunicação não são pecaminosos em si mesmas, mas nos o somos, e por causa disto corremos o risco de utilizar estes recursos de uma forma indevida. Paulo resumiu este principio ao dizer: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convém”. Inclua na lista de coisas lícitas que podem se tornar ilícitas o dinheiro, a fama, os talentos, musicas, livros, etc.

O único limite ao uso destes recursos pode ser resumido da seguinte forma: Quem deve tirar vantagem desta exposição?

Aqueles que se dedicam a divulgar a Palavra através da arte, tem todo o direito de se sustentarem desta atividade. Incluo a mim mesmo neste grupo, pois sendo escritor, parte do meu sustento vem desta atividade.

A motivação basica que me leva a escrever não é o sustento, mas os contratos firmados com a Editora me rendem uma quantia em royalties, que não leva ao enriquecimento, mas ajuda.

Outras artes são mais rendosas e podem atrair a atenção de mercenários que perceberam como o mercado Gospel é rendoso. Isto não significa que todos que se envolveram no meio Gospel são mercenários.

A diferença entre o mercenário e o servo de Deus é a seguinte:
1. O mercenário usa o nome de Jesus para adquirir recursos para si mesmo.
2. O Servo de Deus é usado por Jesus para alcançar pessoas para o Reino de Deus.

Um enriquece a si mesmo, enquanto o outro enriquece o coração daqueles a quem ministra.

Honra seja dada a todos que utilizam dos mais diversos recursos para engrandecer o nome de Jesus.

Os que usam o nome de Jesus em proveito próprio, serão jogados no Lago de Fogo. Mas quem decidirá isto é Deus e não nos.

Somente Deus sabe quem é o que. Podemos levantar a questão e nos indignarmos. A Igreja tem todo o direito de disciplinar, exemplarmente, estes maus elementos. Diante de provas irrefutáveis, e não manipuladas, tomar decisões drásticas como a exclusão do meliente.

Não podemos nos deixar mover por inveja de alguém, no lugar de quem gostaríamos de estar.

Ubirajara Crespo

Publicado a partir do BlackBerry para o WordPress.

Anúncios