Nao esconda seu presente no seu passado.

Temos um arquivo de lembranças fabricadas em nosso passado remoto e o próximo. Podem ser boas ou não. Não importa se ocorreram em um passado remoto ou próximo, mas a profundidade da marca deixada em nossa alma.

Algo de muito marcante pode acontecer e mudar drasticamente nossa vida de um dia para o outro.
Dependendo do tamanho do impacto, posso avançar ou regredir mais de 10 anos em um dia.

Deus tem seus motivos e sabe que de vez em quando a gente só pega no tranco.

Para que alimentar os bons fantasmas do passado? Quem esta vivo hoje, não precisa se esconder do presente em um banco de memórias.

É melhor projetar, ocupar espaço, construir trampolins e mergulhar.
O passado já teve o seu momento. Agradeça aos que o marcaram e tente imita-los em suas obras.

Nada honra mais o mestre do que assistir a sua recriação. Energia autosustentavel é maturidade. Alcançável só com Jesus.

Uma boa marca foi deixada pela vovó Doroteia, esposa do então falecido Rev. Thomsom. Era assim chamada por todos os alunos do seminário, visto que estava muito próxima deles. O seu aniversário de 21 anos, que na realidade era de 84, pois nasceu em 29 de fevereiro era, segundo ela, a sua emancipação. Vovó era diferente até nisto.

Naquele dia eu lhe disse: Vovó! Quando eu crescer quero ser que nem a senhora. E olha que já havia passado dos 35.

Naquela semana soube, por acaso, que ela dava aula de ginástica para mulheres 4 x mais novas na igreja Congregacional de Atibaia.

Não sou como ela, sou eu, mas acho que encarnei o seu bom humor. Ela foi o tipo de pessoa que ocuparia facilmente um lugar de honra na lista daqueles que o mundo não mereceu. (Ela é a de cabelos brancos na foto)

Quero o meu lugar, mas já tenho 65 e ainda não cheguei la.

Quem sabe eu poderei eu chego nestes poucos anos que ainda me restam.

Isto sim, seria um grande milagre.

Ubirajara Crespo

Publicado a partir do BlackBerry para o WordPress.

Anúncios